Terapêutica necessária

É difícil discorrer sobre a obra de um amigo. O olhar crítico não pode ser amigo, precisa ser rigoroso e distante das influências do afeto. No caso do autor Edmilson Borret, ser crítico com a sua produção talvez não seja um empenho forçado para mim. Nossa amizade é quase que exclusivamente ligada pela ponte da literatura, pela troca de impressões textuais, pela visão crítica sobre o outro. Nossas conversas pessoais são breves, sempre abreviadas pelas necessidades administrativas da vida. Que fique claro, isso não desqualifica a estima, apenas confere mais destaque ao núcleo da relação. É uma amizade técnica. No que me diz respeito, um misantropo assumido, é o ideal de amizade. Tudo isso facilita a vontade de isenção dos comentários que farei agora sobre o livro Terapêutica para dias de afeições insolúveis”.

Fui pegar pessoalmente o livro do Borret debaixo de um desses inesperados aguaceiros cariocas. Atravessei as ameaçadoras poças d’águas que brotam nas calçadas feitas para o tropeço, me desviei das cachoeiras caudalosas provocadas pelos toldos dos sobrados do Centro da Cidade e alcancei sem sinais de afogamento o ponto de encontro. Foi um esforço que fiz imbuído da crença inabalável de que o livro valeria qualquer desafio. Cumprimentei um Borret sereno, munido do seu infatigável cigarrinho (incenso de escritor) e sentamos à mesa de um bar do Edifício Central para um papo leve sobre editoras, literatura e outras amenidades.

Sou admirador incondicional do trabalho de Edmilson Borret, acompanho o seu capricho na composição dos textos, seu cuidado de revisão. O seu compromisso com a qualidade é um imperativo da sua formação como autor. Um imperativo que faz contraponto com o meu toque canhestro e avoado, talvez por isso me inspire como gerador de literatura. “Terapêutica para dias de afeições insolúveis” não é somente um título intrigante, é uma criação que traz a intensidade do que chamo de universo borretiano.

— É um livro de poesias? — Perguntaria o leitor que anseia por ir direto ao assunto.

É mais do que isso — afirmo. São poesias que dialogam com o leitor, o que é uma grande virtude destinada somente aos melhores poetas. Há nesta obra de Borret aquilo que Nietzsche intitulou como “humano, demasiado humano”. É a humanidade, em todas as suas facetas, que transborda das páginas, respinga em nosso rosto e não se inibe quando define nossas múltiplas naturezas.

“O homem livre só esgota tudo esgotando-se.”

A filosofia trespassa a poética de “Terapêutica” como um elemento que ancora os versos, a palavra, a ideia. Não são folhas despencando ao sabor do vento, são folhas presas a uma árvore sólida, com função definida, desenhando os galhos e o tronco de uma composição segura e sólida.

“A primeira vez em que

Me chamaram de poeta,

Estarreci (…)

Em coro crescente toda a Terra ouvia:

Poeta, poeta, poeta!

E os cães da vizinhança começavam a ladrar.”

Edmilson não foge do humor refinado e suave que quebra a ideia dramática do poema. Versos que nos surpreendem quando nos causam um sorriso. É a poesia como elemento de sedução.

Há na filosofia presente e orgulhosa dos versos de Borret um sentimento que evita os extremos, que não se lança ao abismo. Equilibra-se na observação atenta dos que caminham pelos riscos de um desfiladeiro.

“Divergir às vezes

é costurar às avessas

o cós e a bainha

de um mesmo sentimento (…)

Talvez por isso

Os mais antigos

ensinavam a alinhavar.”

Versos que também perpassam pelo diálogo sutil com o tempo, com os desgostos cotidianos que catalisam a esperança, o “amanhecimento”. Palavra linda que brota em um de seus poemas.

“Fica a lição

de galos

e do tempo:

amanhecimento.”

Esbarramos com o cada vez mais atual desprezo do homem pelo homem, a tal falta de empatia que virou moda. A apatia de quem não enxerga os sobreviventes, somente o mérito dos viventes. Alguns versos soam como aforismos preciosos se isolados do poema, mas ganham muito mais valor enraizados ao tronco da obra implacável do autor:

“Antes a solidão que a ilusão (…)

(…) A poesia é um michê

sentado num banco da Cinelândia”

“O bafejo quente da noite

de primavera descontente de não ser verão.”

Um poeta não é poeta se não conversa também com a morte. Borret faz isso com maestria, sem choro nem vela. Dialoga com a própria morte pelo ângulo de quem enxerga a banalidade de si mesmo.

“Se eu me matasse hoje

Circunlóquios de nada valeriam

Teria que ser dito sem titubeio

ou afetação: matou-se!

Obituário econômico:

“53 anos, tendências poéticas. Não deixa esposa ou filhos. Sepultamento hoje.”

Há em todo livro, de forma explícita ou implicitamente, o gesto de quem tateia por uma identidade, que faz da poesia um mapa que guia e confunde. No poema “Espera”, o autor se impõe:

“(…) pois se eu ousasse dizer quem é você

eu limitaria as possibilidades de você

Talvez eu seja você.”

Borret utiliza sem pudor as ferramentas que herdou na sua formação em Letras. A sua paixão visceral pela palavra, o seu domínio da língua, o amor pela construção de mundo que ela representa. Borret nos ensina com sua literatura que a palavra é a fundação de tudo. Leio Edmilson desde seu primeiro livro publicado. Testemunho a sua evolução, sua busca pela originalidade que não comprometa o universo que precisa expressar. É um escritor apaixonado pelo ofício, um escritor legítimo e indicado para a leitura de escritores e apreciadores da boa escrita. Fica aqui a minha dica. Com um derradeiro e definitivo verso de Borret encerro esta análise.

“O tempo passava por entre

suas pernas — como as palavras

O homem as nasceu todas!!”

  • Terapêutica para dias de afeições insolúveis
  • Editora Penalux / SP
  • 2020

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s