Destroços

Quando abri a cortina, os raios de luz da manhã de outono invadiram o quarto, bárbaros conquistando um território inexplorado. Estico o corpo e as juntas estalam secas na dissipação da preguiça. Respiro fundo. Tudo igual num dia que será, provavelmente, idêntico ao anterior. Desde que o vírus alcançou o Rio, a rotina me remetia ao filme “Feitiço do Tempo”, em que o personagem de Bill Murray estava obrigado a reviver sem cessar todos os acontecimentos de uma mesma data.

Vento Leste

Você pergunta se não me sinto só? O objetivo é esse, ficar imerso na solidão absoluta. Para não me acusarem de exagero, desço uma vez à cidade de dois em dois meses para sacar dinheiro, comprar mantimentos não perecíveis, vender alguns produtos orgânicos e deixar para oferta o artesanato que crio. Acredite, isso já basta para me lembrar da sensação sufocante que predomina naquilo que chamamos de civilização. Civilizados são os bárbaros domesticados e camuflados no eufemismo léxico.

Diabetes

Diabetes, resultado de uma voracidade indiscriminada. A glicose invadira seu sangue como uma horda de bárbaros ansiosos por inundá-lo de uma selvagem doçura insalubre, todos dispostos a impor novas leis à sua alma. Diabetes, essa maresia de açúcar que corroía seu corpo de dentro para fora. O deleite dos seus excessos dionisíacos agora queria condená-lo à castração do apetite.