Centro do nada

Hoje, no meio da tarde, estive no Centro do Rio após seis meses ausente e fiquei chocado. A Tijuca está com mais movimento do que o Centro. Uma parte do comércio, pelo que observei, não resistiu. A boa notícia é que a velha livraria Elizart, na Av. Marechal Floriano, pulsava e parecia estar firme na resistência. Foi muito triste ver o Centro apático, abatido, com aparência de lugar que definha.