A prisão do peripatético

Enfurnados em casa ou desamparados nas ruas, estamos todos preferindo o cárcere privado à exposição que pode causar consequências imprevisíveis. Nosso carcereiro é um vírus que nos confrontou com a perspectiva da morte, com a nossa fragilidade e impotência. A cada novo despertar, precisamos nos convencer que a ameaça é real, apesar de invisível.

Eu, subversivo

Demorei a encontrar um caminho viável para publicar um livro sem sair no prejuízo. Não concordo que quem escreve livros deva ficar feliz apenas em divulgar seu trabalho caso não consiga romper o funil das grandes editoras, que hoje atuam por critérios obscuros ditados pelos bancos que as controlam.